Rito penitencial com a parábola das sementes

RITO PENITENCIAL COM A PARÁBOLA DAS SEMENTES

Jesus conhece profundamente a alma humana. Sabe que ferimos as pessoas que mais amamos, que perdemos facilmente a paciência, que somos governados por nossas preocupações.

Ao invés de nos acusar e condenar, Ele provoca a reflexão, estimula a pensar.

Jesus sabe que a nossa personalidade não muda com um passe de mágica. Por isso, ele se aproxima de nós como um educador. E se apresenta como um Semeador. Criou a Parábola das sementes e do Semeador com o solo, o terrenos, a terra.

Ele não veio para trazer ensinamentos, regras de comportamento e normas de conduta. Sabia que os mandamentos do Antigo Testamento, dados ao povo por Moisés para disciplinar e ajudar na convivência social, falharam. Essas normas excelentes não corrigiram a agressividade, o egoísmo, as injustiças, a violência, ao contrário, aumentou, evoluiu.

Infelizmente todas essas regras e normas estavam fora do ser humano, Tentaram mudar de fora para dentro. Jesus criou a parábola da semente para nos mostrar que Ele, o Semeador, Mestre da Vida, queria a mudança de dentro para fora. (Essa é uma boa dica de educação para pais e educadores). Jesus sabe que a semente tem vida própria, segue a ordem natural e pode mudar para sempre o ecossistema emocional e social.

Jesus queria mudar o mundo, mudando as pessoas, de dentro para fora, à imagem da semente na mãe terra. Por isso, escolheu esse caminho: não o caminho da pressão sobre a alma e o espírito, a lista de regulamentos.

Jesus escolhe quatro tipos ou estágios de solo, referindo-se a quatro (4) personalidades distintas.

I – A SEMENTE CAIU NO CAMINHO –
Em solo duro, seco, impermeável. Representa aqueles que têm seu próprio caminho. estão fechados para algo novo e não querem aprender. Estão no seu mundo e têm a sua verdade absoluta e eterna. Orgulho, egocentrismo impedem de acolher novas idéias e pensamentos. O coração é esse solo seco, duro, impermeável.]

COMO SOMOS NÓS? Possuímos essa característica. Somos turrões, teimosos, não permitimos que nos questionem porque sempre estamos certos? Será que as dores, as perdas, as decepções não foram arados para remover essa terra dura e impermeável? Uma pessoa inteligente aprende com os próprios erros; uma pessoa sábia, aprende com os erros dos outros. Pessoas que reagem assim vão errar a vida toda. A humildade é a força dos sábios e a arrogância é a força dos fracos.

Jesus não invade a psiqué de nenhum ser humano: não violenta, não pressiona. Respeita. Joga a semente. Os apóstolos escolhidos tinham muitos defeitos, mas o seu coração era uma terra fofa. O contrário dos fariseus: orgulhosos, arrogantes, terra dura, impermeável…

como está o terrenos de sua psiqué?
você consegue ser ajudado pelas pessoas que o rodeiam?
como é sua aceitação dos pensamentos e idéias dos outros?
amigos, colegas, família, conseguem falar ao seu coração?
você aproveita os sofrimentos e perdas como arado a tornar a terra fofa e preparada?

II – A SEMENTE CAIU EM SOLO PEDROGOSO –
O solo é bom, mas está cheio de pedras. As sementes brotam, mas as raízes são fracas. O calor do sol as mata. Representa todos os que receberam a Palavra com alegria e rapidez. Pensam que o Semeador é quem vai tirar as pedras, e não fazem a sua parte.

Quando chegam as pedras, sofrimentos, ficam confusos, assustados. Acreditavam que com suas orações iriam conseguir tudo. Esquecem-se de que o Semeador somente lança a semente fazendo a sua parte que é preparar o solo, regar, adubar… respeitando ordem natural que acompanha a mãe terra.

As pedras no caminho são também muito importantes para nos acordar, desinstalar, dar novo rumo à nosa vida. Enfrentar os problemas é uma atitude inteligente.
A melhor maneira de tirar as pedras e enfrentar os problemas é aprofundar as raízes no solo da psiqué! São as raízes que sustentam as plantas. O que você faz para criar e aprofundar raízes? Quais as raízes? Coragem, humildade, simplicidade, determinação, desejo de aprender.

Se você não se preocupa em cultivar raízes internas não espere encontrar águas profundas no tempo da seca. Jesus ensinou como lançar raízes internas: aceitar as perdas irreparáveis, reconhecer AS falhas, perdoar, pedir desculpas, tolerar, tirar a trave do próprio olho antes de remover o cisco do olho de alguém. É assim que você lança raízes? Como reage às situações difíceis? Não tenha medo dos problemas e conflitos. Tenha medo de não ter raízes! Quando você passa num teste da vida, você cria raízes!

III – A SEMENTE CAIU NO SOLO COM ESPINHOS.
Essas sementes caíram em solo bom: não havia pedras e nem era seco. Lançaram raízes profundas, encontrando água suficiente para as fortalecer e suportar o calor do sol. A planta crescia forte, mas ao mesmo tempo, os espinhos, que pareciam ser frágeis e inocentes no início, começaram a crescer também.. Havia espaço para todos. Como as plantas e espinhos cresciam juntos, os espaços foram diminuindo. Os espinhos competiam com as plantas pelo oxigênio, pela água, pelos raios solares e nutrientes. Mais adaptadas ao ambiente, os espinhos cresceram mais rápidos e sufocaram as plantas. E elas morrem.
Este solo representa aquelas pessoas mais profundas e sensatas que acolhem as sementes do perdão, da sabedoria, do amor, da solidariedade e de todas as outras virtudes semelhantes. Suportam as incompreensões, injustiças, decepções, doenças, frustrações, enfim, dificuldades externas.
O que são esses espinhos que sufocaram as plantas? A arrogância competia com o perdão; a intolerância competia com a compreensão; a necessidade de poder competia com o desprendimento. a raiva e o ódio competiam com o amor.
Um espinho perigoso é o sucesso intelectual, profissional, financeiro e, até, espiritual.: acaba com a humildade, a simplicidade, a criatividade. O seu sucesso tem paralisado você? Quais os espinhos que estão sufocando seu crescimento?
Algumas preocupações são legítimas: educar os filhos, ter segurança, aposentadoria, um bom plano de saúde… O problema é quando essas preocupações controlam e roubam a tranqüilidade da pessoa, a convivência, a coerência de vida e a capacidade de decidir.
Quando um terreno não está bem trabalhado é preciso atenção, prudência, persistência diária para permitir o desabrochar e o crescimento das sementes e das plantas. Judas foi esse caso: coração bom, inteligente, admirava e amava Jesus. Jamais pensou em trair Jesus. Tinha cultura, era mais sensato. Mas permitiu que os espinhos da ambição, da decepção acerca da missão de Jesus, sufocassem o seu sonho de libertar Israel do jugo dos romanos. Queria que as coisas acontecessem do seu jeito.
Pedro, ao contrário, não permitiu que os espinhos do medo, da tristeza, da preocupação sufocassem seu amor por Jesus: reconheceu o seu erro, humilhou-se, buscou um caminho de volta, quem sabe? procurando o colo de Maria. Seu amor, sua fé, seu perdão sufocaram os espinhos.
Por causa de alguns problemas em sua vida, será que você também está decepcionado com Jesus? Não está decepcionado porque suas orações não são atendidas? Por que as coisas não acontecem da forma como você quer? Por que há doença, violência e morte em sua família? Por que faz tanta caridade e serve na Igreja, mas seus problemas continuam?
Uma coisa é certa: quem procura Deus pelo que ele pode dar, pode se frustar. Mas quem procura Deus pelo que ele é, encontrará segurança, força, conforto, esperança, alegria e descanso nas perdas.
. . . . . . . . . . . . . . .
Nós, cristãos, precisamos dar testemunho no mundo. Saber cuidar de todas as sementes que o Senhor Semeador deposita no solo de nossa mente e de nosso coração. Isso começa em casa e com cada um. Pais e filhos falam de tudo, menos das emoções, sentimentos. Não sabem falar de si mesmos; não choram juntos. Como você está cuidando do solo? tem forças para vencer as pedras, os espinhos e os pássaros que voam pelo caminho?
Nenhum solo é inútil ou imprestável. Uma prostituta, um coletor de impostos corrupto, um ladrão arrependido na cruz da dor, podem ser transformados em líderes espirituais.