O que é

Ministério da Liturgia

O que é Liturgia?
Liturgia é serviço, é celebração dos mistérios de Deus. Liturgia é diálogo entre Deus e seu povo. No Concilio Vaticano II chegou-se a esta definição de liturgia “a ação sagrada, através da qual, com um rito, na igreja e mediante a igreja, é exercida e continuada a obra sacerdotal de Cristo, isto é, a santificação dos homens e a glorificação de Deus” (SC 7). O concílio afirma também que liturgia “é o cume para o qual tende a ação da Igreja e, ao mesmo tempo, é a fonte donde emana” toda a sua força SC10). Assim à luz do Vaticano II e do Catecismo da Igreja Católica, a liturgia é “obra de Cristo” e “ação da sua igreja”. É o sinal visível da comunhão entre Deus e a humanidade através de Jesus Cristo (cf. SC 6 e CIC 1071). Por isso não se deve dizer que apenas o sacerdote celebra uma missa, mas toda a assembléia ajudado pela equipe de liturgia.

Quem celebra?
Quem celebra é o sacerdote e a assembléia.

O que faz a equipe de liturgia?
Auxilia o sacerdote a motivar a assembléia a celebrar estes mistérios, através do serviço dos vários componentes: comentaristas, leitores, acólitos, ministros, ministério de canto e outros que assessoram na preparação dos objetos litúrgicos antes de começar a missa. Ou seja, a pessoa que providencia as partículas que vão ser consagradas, as âmbulas, o cálice, a patena, a pala, o corporal, os sanguíneos, etc. que serão levados ao altar no momento do ofertório por elementos da assembléia devidamente escolhidos por membros da equipe antes de começar a celebração. Ou seja, antes de começar a celebração há todo um trabalho feito que, aliás, começa pela elaboração do comentário pela pessoa responsável, escalada naquele dia.
E ainda antes de começar os ministros ja estão a postos no átrio para acolher as pessoas dando-lhes os folhetos, cumprimentando e sendo, portanto, verdadeiros recepcionistas.
Comentarista: Faz a animação inicial, ou seja, acolhe a comunidade dando as boas vindas e convidando os que estão pela primeira vez na paróquia a se apresentarem para receber uma lembrança da comunidade. Em seguida convida a assembléia a se recolher para se preparar para a Eucaristia com um canto meditativo. Estamos falando do que se faz na paróquia Cristo Rei, já que nem todas as paróquias seguem este roteiro. Em seguida o comentarista apresenta o tema da missa e introduz a entrada do celebrante, seus acólitos e ministros. Em casos de missas especiais ele deve convidar e anunciar a entrada dos os casais aniversariantes, noivos, crismandos, etc. O comentarista ainda introduz as leituras- Primeira e Segunda e o Evangelho com pequenos comentários  sintéticos sobre cada um deles. Faz ainda comentários antes da preparação da mesa e antes da comunhão. Finalmente dá avisos que foram previamente combinados sobre eventos da comunidade e faz o comentário final antes da benção. Deve ser pessoa comunicativa, animada mas sóbria que conduza a comunidade nos diversos momentos litúrgicos dando instruções até de que horas devem se sentar, se levantar, etc. Nas missas solenes da Semana Santa ou do Santo padroeiro ou outras missas temáticas este detalhe é importante já que o ritual é mais complicado. Nas missas normais mesmo, é comum vermos pessoas que se levantam na hora do ofertório. Daí a importância dessas instruções.
Acólitos: Auxiliam o padre na preparação da mesa arrumando mesmo os objetos litúrgicos que vão ser usados na consagração, ponto alto da celebração. É o acólito que traz o missal para o altar e acolhe o cálice com o corporal, patena com a partícula a ser consagrada, âmbulas, manustérgio, sanguíneo (pequena toalha que o sacerdote usa para purificar os dedos  a boca e limpar a o cálice depois da comunhão) galhetas trazidas pelos membros da assembléia em procissão. Usam a credência para colocar objetos que não serão usados e que no final da missa serão novamente utilizados como as tampas das âmbulas. Na credência está também a bacia e o jarro ou outros recipientes com água e a toalha que o sacerdote usa para purificar os dedos antes da consagração e os ministros antes de tocar a sagrada Eucaristia. Cabe ao acólito ainda tocar a sineta no momento da elevação da hóstia e do cálice no momento de providenciar a caldeirinha com água benta e o aspersório para momentos de bênçãos  especiais.
Ministros: Auxiliam o sacerdote na distribuição da Sagrada Eucaristia. São eles que vão buscar as hóstias já consagradas no sacrário no momento certo, ou seja, depois do Pai Nosso para serem  colocadas no altar e que serão distribuídas juntamente com as que o padre consagrou naquele dia. Em geral há uma reserva de hóstias consagradas que são justamente guardadas nas âmbulas. Os ministros devem ter vida de oração e se exige deles postura sóbria em todos os momentos que estão a serviço, mesmo que não estejam no altar. Os gestos e a postura tão importantes para todos os da equipe litúrgica devem ser rigorosamente observados por eles já que vão tocar no corpo e sangue de Cristo. Os ministros devem ter por hábito fazer adoração ao Santíssimo e sempre estar em estado de graça quando a serviço e mesmo fora dele. Sua conduta deve ser irrepreensível e para tal precisam ficar atentos e fortes na oração e contemplação.
Leitores: Fazem a proclamação da palavra. Devem ser pessoas escolhidas por sua leitura correta, com boa dicção e bom timbre e que respeitem as diversas linguagens dos textos da Sagrada Escritura. Isso porque encontramos vários estilos literários nas leituras: narrativos, poéticos, dialogados. Enfim o leitor deve ler pausadamente e com entonação correta, para que seja entendido pelo povo e especialmente deve se preparar com antecedência para suas leituras em público. Ele precisa numa palavra saber o que está proclamando.
Ministério de Música ou Canto: Grupo composto por instrumentistas e cantores que tem a missão de cantar os cantos litúrgicos do tempo litúrgico correspondente, e que tem papel importantíssimo nas celebrações. Sua função é de animar as celebrações sem no entanto cantar de forma estridente ou de forma inadequada. Há cantos  especiais para cada momentos da celebração: para o momento meditativo, para a entrada do celebrante ou abertura, para o ato penitencial, para o momento de louvor, para a aclamação ao Evangelho, para o ofertório, para a comunhão, para a pós comunhão.E para o final da missa. O canto, o som dos instrumentos deve contribuir para levar a assembléia a refletir sobre o que ouviu, sobre o momento que está celebrando – a páscoa do Senhor, sobre enfim os diversos momentos litúrgicos e levá-los a uma maior interiorização.
A Liturgia é assunto altamente complexo porque justamente trata dos mistérios de Deus e então penetrar neles é coisa para toda a vida. Mas é importante salientar que a equipe de liturgia deveria estar a par dos principais tempos litúrgicos: Ciclo do Natal, Ciclo da Páscoa que é preparada pela Quaresma, Tempo Comum, além das missas especiais dedicadas a Nossa Senhora, aos santos e aos anjos.
Para cada Ciclo deste, as vestimentas ou paramentos do padre e dos acólitos e comentarista tem cores diferentes. Além disso a equipe litúrgica deve ficar atenta para os símbolos de cada um desses ciclos, com seus significados específicos.

Pela Equipe da Missa de Sábado às 19hs
Ana Lúcia Vasconcelos