Epifania

MANIFESTAÇÃO DO SENHOR

O Filho de Deus nasceu em Belém para se cumprir o que anunciou o Profeta Miquéias: “E tu, Belém de Judá, já não és a menor entre as principais cidades de Judá porque de ti há de sair aquele que vai ser o Pastor de Israel, meu Povo”.

PRIMEIRO SÃO OS PASTORES que estão perto é que ouvem o anúncio e o canto dos anjos e vão até o presépio. Reconhecem naquela humilde criança o próprio Filho  Deus, Messias anunciado e prometido.

 

EM SEGUNDO LUGAR VÊM O MAGOS DO ORIENTE, aqueles astrólogos que reconheceram na luz da estrela, o nascimento daquele que poderia dar a eles a resposta de todas as suas perguntas e inquietações. Reúnem a caravana, pegam o que tinham de melhor para oferecer e saem em direção a Jerusalém. Cada um vem de um país diferente. São os representantes de todos os povos, linguas, raças e nações. Vencem todos os obstáculos da viagem: ladrões, comerciantes, políticos que pedem a eles que se estabeleçam no lugar em que passam.

 

Em Jerusalém eles precisam passar pela casa de Herodes porque se perdem no caminho e desejam informações. Herodes fica perturbado com o anúncio do nascimento de um “Rei” e chama os mestres rabinos e profesores da Lei. Eles citam a profecia de Miquéias e garantem o caminho a seguir. Herodes manifesta seu desejo de visitar a criança, mas na verdade, quer matá-la. Os Reis Magos seguem o caminho, seguindo a luz das estrelas, e chegam a seu destino. Ajoelham-se para adorar Aquele que reconhecem ser o próprio Deus e entregam seus presentes.

 

Na Casa de Herodes a estrela não brilha. ali está a mentira, o espírito de quem oprime o povo e não respeita os seus direitos e a sua vida. A  casa de Herodes também perpassa nossos caminhos. As trevas do mentira, do egoísmo, da corrupção, do mal encobrem a luz.

A Festa da Epifania e a presença dos Magos do Oriente são um convite para a abertura de nosso coração para o diferente, outros caminhos que conduzem a Deus. Não somos ninguém para julgar que somente nós, católicos, é que vamos para o céu. Deus acolheu a todos. A salvação é para todos os que buscam a Luz da Verdade, da Justiça, da Liberdade, do Amor. Epifania é a festa da abertura do coração e da busca de harmonia e união entre todos. Por isso, pedimos, suplicamos e trabalhamos para isso: “Senhor das luzes, fazei brilhar a vossa luz em todas as Igrejas e Religiões, povos e raças. Iluminai as Igrejas do Oriente e do Ocidente. Iluminai as religiões dos povos indígenas da África, da América e da Oceania. Iluminai as religiões orientais, budismo, xintoismo e hinduismo. Iluminai os irmãos judeus e muçulmanos. Que busquemos união e harmonia, respeito e colaboração, em busca de um mundo onde a Verdade, o Amor e a Justiça sejam a bandeira de todos  para uma vivência fraterna, integrada à natureza e traduzida em ações concretas para o Bem de todos. Amém”.

 

Para chegar a Belém muitas vezes é preciso seguir outro caminho, aquele que não passa pela Casa de Herodes.