MISSA DE CRIANÇA

DOMINGO – 11h00

Missas especiais para as crianças

            A Paróquia Cristo Rei, no Jardim Chapadão, há oito anos, tem uma riquíssima experiência com a celebração de uma Missa especial para as crianças. Como diz o Cônego Luiz Carlos Magalhães, “não é missa com crianças, nem para crianças; é missa das crianças, onde elas são o “sujeito”, agem e interagem”.
            São 10 contadores de história que se revezam a cada domingo segundo uma escala. Há também uma listagem de adultos e crianças que gostam de participar, encenando. Ao invés da Homilia as crianças acompanham uma histórinha, valores do evangelho do Dia. E o Padre faz a conclusão após a peça…

            A Paróquia está preparando um livro com historinhas. Você pode ver, também, o teatrinho encenado em uma das celebrações,

            que está no youtube, no endereço www.youtube.com/watch?v=ivQU22WX6rc&feature=youtu.be.
           

            O telefone da Paróquia Cristo Rei é o (19) 3242.0500 e 3242.0572


CAMINHANDO PARA A PÁSCOA

DEUS PROPÕE UM CAMINHO NOVO PARA QUEM QUER SER FELIZ

 

Tempo da Quaresma é oportunidade para renovar a vida, mudar de mentalidade, avaliar o modo de pensar e agir para ver e sentir se estão de acordo com os pensamentos e caminhos do Senhor. Ele que disse: “Meus pensamentos não são os vossos pensamentos e meus caminhos não são os vossos caminhos”. Como está sua preparação para a Páscoa, Renovação de Vida, “passagem” de um “degrau” na linha da consciência, da santidade e da busca perfeição para outro?

 

PRIMEIRO DOMINGO DA QUARESMA

– “CONVERTEI-VOS E ACREDITAI NO EVANGELHO””.

A liturgia garante que Deus está interessado em destruir o velho mundo do egoísmo e o pecado; em oferecer aos homens um mundo novo de vida plena e de felicidade sem fim. A história do dilúvio nos diz que Deus vem ao encontro do ser humano e faz com ele uma Aliança incondicional de paz. Dilúvio é sinal e lembrança da ação de Deus que elimina o pecado o qual escraviza o ser humano e corrompe o mundo. E os quarenta dias no deserto vivido por Jesus mostra-nos como a renúncia a caminhos de egoísmo e de pecado e a aceitação dos projetos de Deus está na origem do nascimento desse novo mundo que Deus quer oferecer a todos os seres humanos. Mas, nada será possível se o ser humano rejeitar a proposta de Deus. Como você se posiciona diante dessa Palavra?

 

SEGUNDO DOMINGO DA QUARESMA

– “ESTE É MEU FILHO MUITO AMADO: ESCUTAI-O”

A Palavra de Deus define o caminho que o verdadeiro discípulo deve seguir para chegar à vida nova: é o caminho da escuta atenta de Deus e dos seus projetos, o caminho da obediência total e radical aos planos do Pai.  A figura de Abraão é paradigma de uma certa atitude diante de Deus. Abraão é o homem de fé, que vive numa constante escuta de Deus, que aceita os apelos de Deus e que lhe responde com a obediência total – mesmo quando os planos de Deus parecem ir contra os seus sonhos e projetos pessoais. Abraão é modelo do crente que percebe o projeto de Deus e o segue de todo o coração. O comportamento de Abraão revela como ele coloca Deus no centro de sua vida. Para ele a prioridade fundamental é Deus. Por isso, sua vida é constantemente mudada e ele é sempre feliz. Na vida do homem moderno nem sempre Deus está em primeiro lugar. Dinheiro, poder, carreira profissional, reconhecimento social, sucesso, ocupam o lugar de Deus. Por isso, ao subir o Monte Tabor,  o Pai se manifesta: “Este é meu Filho, escutai o que Ele diz” para o bem de Vocês, para sua felicidade e paz de consciência. Em que momento de minha vida costumo parar para ouvir a voz de Deus?

 

TERCEIRO DOMINGO DA QUARESMA

– ELE DEITOU POR TERRA O DINHEIRO DOS CAMBISTAS

Deus chama Moisés para o alto do Monte Sinai para lhe dar as “Táboas da Lei”. É a carta Magna da ordem e dos direitos, a Constituição para um povo que saiu às pressas do Egito, fugindo da escravidão, e estava totalmente desorganizado e perdido. É a única Lei possível para ser feliz. Deus quer a felicidade de todo ser humano, e todo ser humano busca insistentemente, por todos os caminhos – até errados – a sua felicidade. Portanto a felicidade somente será possível com esse casamento entre os sonhos do ser humano com os sonhos de Deus. Não são DEZ mandamentos: leia capítulo 20 e seguintes do Livro do Êxodo.  Deus precisa assumir a centralidade no coração e na vida do povo. Para revelar essa proposta de Deus, Jesus entra no templo tentando destruir o sonho do ser humano de colocar dinheiro, sucesso, negócios, coisas materiais, no centro de sua vida. É um gesto profético de Jesus. Os líderes judaicos, – e também nós – não compreendem. Consideram-se os donos da verdade e os únicos intérpretes autênticos da vontade divina. Errado. Seu orgulho e autosuficiência os impede de ver além dos seus projetos, de suas certezas e preconceitos. É o que ainda acontece hoje. O mundo seria totalmente diferente se obedecesse, simplesmente a Lei de Deus. Não precisa mais nada. Que lugar ocupa Deus em minha vida e como cumpro os mandamentos?

 

QUARTO DOMINGO DA QUARESMA

– DEUS ENVIOU SEU FILHO PARA SALVAR O MUNDO

Deus dá sempre ao seu povo a possibilidade de recomeçar, de refazer o caminho da esperança e da vida nova. O Livro das Crônicas, – pouco lido, – revela uma noção primitiva da justiça de Deus. Na verdade, quando o povo vive na fidelidade à Aliança e à Lei de Deus, Deus oferece-lhe vida e felicidade; quando o povo é infiel, busca seus próprios caminhos, sem ouvir a Deus conhece a desgraça e a morte. O castigo não é a última palavra de Deus. É possível recomeçar e refazer o caminho. Há sempre um “retorno” nos caminhos da vida e da história. Deus nunca abandona seu filho e seu povo: a cada momento dá-lhe a possibilidade do retorno. Jesus revela o sonho do Pai: é preciso aprender com Jesus a lição do amor total; aprender a percorrer com Ele o caminho da entrega e do dom da vida. É esse o caminho da salvação, da vida plena e definitiva. O Pai envia seu Filho para libertar o ser humano do egoísmo, da escravidão, da alienação, da morte, e dar-lhe, felicidade e paz aqui, e a vida eterna. O Messias não vem com missão judicial, nem veio excluir ninguém da salvação. Vem ao encontro do homem pecador, egoísta, orgulhoso, autosuficiente para lhe trazer uma nova consciência, novo modo de ser e de viver, novo caminho de felicidade e paz. Como posso retornar ao caminho certo e ajudar os outros a fazer o mesmo?

 

QUINTO DOMINGO DA QUARESMA

– ACIMA DE TUDO O AMOR

Após a queda de Jerusalém, em 586 aC, o Profeta Jeremias revela sua extrema confiança na fidelidade a Deus. Ouve o chamado de Deus e dirige-se ao povo para lhe abrir uma luz, uma esperança, um novo caminho. As leis antigas são interpratadas de forma legalista e cega. A Nova Aliança será renovada convidando o povo à fidelidade e ao cumprimento da Lei, único caminho que pode trazer a paz, a vida nova. Esse caminho de volta é permeado de sofrimento e tribulação. É nessa perspectiva que Jesus também anuncia seus sofrimentos e sua morte, porque “chegou a sua hora”. Hora designa o momento de Glória, a manifestção do amor fiel de Deus, concretizado em Jesus que entregou sua vida pela salvação da humanidade: reconciliar o homem com Deus. Por isso, é preciso que “o grão de trigo caia na terra”. Se não cair ficará infecundo.  A passagem da morte para a vida é a glória do Pai que quer salvar a humanidade, libertá-la do pecado e da morte. Esta “hora de Jesus” não está destinada somente aos “mártires”, aos que são escolhidos como “fortes na fé”. Qual a compreensão que tenho da morte? Reflito sobre isso? Tenho consciência que a “passagem” não acontecerá um dia, mas já está acontecendo?

 

SEMANA SANTA – OS ÚLTIMOS PASSOS DE JESUS

Em cada dia uma meditação sobre a vida de Jesus. Meditar, sentir e perceber o amor e a misericórdia de Deus na minha vida, na nossa vida, na vida do povo. Meditar para adequar nossa vida aos passos de Jesus e descobrir que somente a obediência salva. Só existe um caminho: Jesus. Ele assumiu nossa natureza para nos mostrar como viver em paz, como obedecer, como ser uno com o Pai e como integrar nosso ser ao Projeto que conduz à felicidade. Onde você vai passar a Semana Santa? Como vai vivê-la?

 

 


Jesus precisa de você

J E S U S   C O M E Ç A   A   M I S S Ã O

 

 Vivemos o tempo litúrgico do Advento e Natal e agora iniciamos o Tempo Comum. Deus se revela e se manifesta ao Povo. No Antigo Testamento através dos Profetas, Hoje, na Pessoa de Jesus. Jesus nasceu em Belém e se revelou aos Pastores que estão perto, e aos Reis Magos que estão longe. Aos que estão perto e longe de Deus. A liturgia nos leva a recordar a Vida Pública de Jesus. João Batista no deserto aponta para Jesus: “Eis o Cordeiro de Deus.

 

No passado Samuel não reconhece a voz de Deus. Procura o Padre Eli, Nem ele reconhece. Mas na terceira vez diz: Samuel, quando você ouvir o chamado diga: “Fala, Senhor, que o teu servo escuta”. Nem sempre, também nós reconhecemos o chamado de Deus. Ele nos chama através da vida, dos acontecimentos. Deus toma a iniciativa e chama. André e João, são os primeiros a seguir Jesus. Eles reconhecem Jesus como o Cordeiro de Deus, o Cristo, Ungido para a Missão. Jesus toma a iniciativa e pergunta: “A quem vocês procuram?” Deus não se revela pela doutrina e normas morais. Catequese para Eucaristia e Crisma não podem iniciar pela doutrina, mas pela apresentação da Pessoa de Jesus. Ele é o centro. Religião, Cristianismo não é doutrina, normas morais. É a Pessoa de Jesus.

 

Os discípulos não sabem o que perguntar: “Onde moras?” Jesus não dá aula alguma, não revela seu pensamento, Jesus os convida para conversar: “Vinde e vede!”. É na convivência que se conhece a pessoa. Jesus fica até quatro horas da tarde conversando. Amigos, namorados, noivos, se conhecem na convivência, não é perguntando e dando opiniões sobre assuntos teóricos, filosóficos. Jesus se revela na intimidade, na convivência. Quantos de nós conhecemos muito da doutrina, mas não conhecemos a Pessoa de Jesus.

 

André vai correndo chamar seu irmão, Simão, que Jesus lhe dá o nome de Pedro, que quer dizer, Cefas, Rocha. Esta é também a nossa missão. Convidar outros para Jesus. Não é tanto para entrar na Igreja Católica, para conhecer a doutrina, mas para conhecer Jesus de perto, ouvir o seu chamado e dar sua resposta pessoal, pela conversão de vida. Jesus convida para uma transformação pessoal e para a missão na família, na sociedade, no mundo.

Jesus precisa de você. Deus que te criou sem você, não te poderá salvar sem você. É com sua participação que Deus conta, com sua parceria para sua transformação pessoal e a transformação da sociedade. Mãos à obra, sem receio, sem reservas. Deus precisa de você, parceiro de Deus.


Epifania

MANIFESTAÇÃO DO SENHOR

O Filho de Deus nasceu em Belém para se cumprir o que anunciou o Profeta Miquéias: “E tu, Belém de Judá, já não és a menor entre as principais cidades de Judá porque de ti há de sair aquele que vai ser o Pastor de Israel, meu Povo”.

PRIMEIRO SÃO OS PASTORES que estão perto é que ouvem o anúncio e o canto dos anjos e vão até o presépio. Reconhecem naquela humilde criança o próprio Filho  Deus, Messias anunciado e prometido.

 

EM SEGUNDO LUGAR VÊM O MAGOS DO ORIENTE, aqueles astrólogos que reconheceram na luz da estrela, o nascimento daquele que poderia dar a eles a resposta de todas as suas perguntas e inquietações. Reúnem a caravana, pegam o que tinham de melhor para oferecer e saem em direção a Jerusalém. Cada um vem de um país diferente. São os representantes de todos os povos, linguas, raças e nações. Vencem todos os obstáculos da viagem: ladrões, comerciantes, políticos que pedem a eles que se estabeleçam no lugar em que passam.

 

Em Jerusalém eles precisam passar pela casa de Herodes porque se perdem no caminho e desejam informações. Herodes fica perturbado com o anúncio do nascimento de um “Rei” e chama os mestres rabinos e profesores da Lei. Eles citam a profecia de Miquéias e garantem o caminho a seguir. Herodes manifesta seu desejo de visitar a criança, mas na verdade, quer matá-la. Os Reis Magos seguem o caminho, seguindo a luz das estrelas, e chegam a seu destino. Ajoelham-se para adorar Aquele que reconhecem ser o próprio Deus e entregam seus presentes.

 

Na Casa de Herodes a estrela não brilha. ali está a mentira, o espírito de quem oprime o povo e não respeita os seus direitos e a sua vida. A  casa de Herodes também perpassa nossos caminhos. As trevas do mentira, do egoísmo, da corrupção, do mal encobrem a luz.

A Festa da Epifania e a presença dos Magos do Oriente são um convite para a abertura de nosso coração para o diferente, outros caminhos que conduzem a Deus. Não somos ninguém para julgar que somente nós, católicos, é que vamos para o céu. Deus acolheu a todos. A salvação é para todos os que buscam a Luz da Verdade, da Justiça, da Liberdade, do Amor. Epifania é a festa da abertura do coração e da busca de harmonia e união entre todos. Por isso, pedimos, suplicamos e trabalhamos para isso: “Senhor das luzes, fazei brilhar a vossa luz em todas as Igrejas e Religiões, povos e raças. Iluminai as Igrejas do Oriente e do Ocidente. Iluminai as religiões dos povos indígenas da África, da América e da Oceania. Iluminai as religiões orientais, budismo, xintoismo e hinduismo. Iluminai os irmãos judeus e muçulmanos. Que busquemos união e harmonia, respeito e colaboração, em busca de um mundo onde a Verdade, o Amor e a Justiça sejam a bandeira de todos  para uma vivência fraterna, integrada à natureza e traduzida em ações concretas para o Bem de todos. Amém”.

 

Para chegar a Belém muitas vezes é preciso seguir outro caminho, aquele que não passa pela Casa de Herodes.


22º Domingo do TC

22º Domingo do Tempo Comum

Neste domingo faleceu Dom Bruno Gamberini, Arcebispo de Campinas, com 61 anos de idade e apenas sete anos de governo da Arquidiocese.

 

Mateus põe lado a lado a tentação de Jesus no deserto e a tentação de Pedro. Depois de batizado no Rio Jordão, Jesus vai para o deserto e é tentado pelo demônio. No evangelho de hoje, Pedro também tenta Jesus procurando desviá-lo do Projeto do Pai. Aqui está o centro da tentação. Pecado não é apenas um ato que se comete por descuido, deslise ou até má vontade. É desviar-se do caminho de Jesus, seus preceitos e desejos. No deserto, Jesus responde com sua palavra firme e decidida: “Não só de pão vive o homem… Adorarás ao Senhor e somente a Ele servirás… Afasta-te de mim, Satanás“. O demônio tenta levar Jesus para outro caminho: um Messias triunfalista, vitorioso, dominador. Mas, o demônio havia prometido que voltaria para tentar Jesus. Outras vezes aconteceu isso. De novo, Jesus vai ser tentado, agora através de Pedro. Por isso, Jesus usa a mesma frase para afastar o apóstolo: “Afasta-te de mim, Satanás!”

 

Num segundo momento, o Evangelho nos apresenta as exigências para seguir: “renunciar, tomar a cruz, seguir“. Para ser discípulo é preciso deixar para trás o comodismo e se entregar à missão, com disponibilidade, dedicação, entrega radical. Tomar a cruz é a exigência de aceitar as dificuldades do caminho e estar atento para não se desviar do caminho apresentado por Jesus: a missão que ele confiou. Jeremias é um exemplo dessa entrega total e radical. Ele diz: “Seduziste-me, Senhor! E eu deixei-me seduzir!”. Bem que ele tentou de várias formas afastar-se do caminho. Por pressões internas e externas: “Tornei-me alvo de irrisão o dia inteiro, todos zambam de mim!… Não quero mais lembrar-me disso nem falar mais em Nome dele”.  Oferecer a vida por Jesus, pela missão, não é perder, mas ganhar. Trata-se de “gastar” a vida em favor dos outros, do Reino de Deus, o que significa, ganhar.

 

 

Paulo também foi perseguido a vida toda, por tentações internas e externas. Ele mesmo confessa isso em suas cartas às comunidades. Foi tentado continuamente, mas não se desviou do caminho. Por isso, ele afirma: “Não vos conformeis com o mundo, mas transformai-vos, renovando vossa maneira de pensar e de julgar, para que possais distinguir o que é da vntade de Deus, isto é, o que lhe agrada, o que é perfeito”.


20º Domingo do Tempo Comum

20º Domingo do Tempo Comum

 

Deus fez uma aliança com seu povo ao sair das terras do Egito. Deus se comprometeu acompanhar, ajudar e defender o povo durante toda a caminhada do deserto até a Terra Prometida… enquanto o povo deveria observar todos os preceitos de Deus. Deus é sempre fiel às suas promessas, mas, o povo, sempre esquecido de seus deveres e preocupado consigo mesmo, costuma ser infiel. Para manter essa fidelidade, ao longo do caminho, Deus sempre vai escolhendo os Profetas para realizar essa missão de lembrar o povo de suas obrigações.

 

Na leitura deste domingo, Isaías denuncia: o povo está rejeitando, excluindo, os estrangeiros e quebrando a aliança: “Cumpri o dever e praticai a justiça”. É preciso agir com justiça, diz o Profeta, e acolher a todos; Deus não aceita que excluamos os outros da salvação. Todos os profetas sempre anunciaram: a salvação é universal, é para todos. Não cabe a nós julgar, condenar, ou dizer quem deverá ser salvo ou não.

 

No evangelho da mulher cananéia, os discípulos vão fazer o mesmo. Para aquela mulher que veio da cananéia a fim de pedir a cura de sua filha, e vem gritando e insistindo, pedindo socorro a Jesus, os discípulos dizem: “Manda embora essa mulher que vem gritando atrás de nós!” o evangelista e escritor São Mateus vai colocar na boca de Jesus o pensamento de Deus: “Eu fui enviado para as ovelhas perdidas, excluídas, esquecidas, da casa de Israel”. Exclusão não é do plano de Deus. Ele quer a todos no banquete do seu Reino que prepara para todos, sem exclusão. Jesus disse: “Eu vou e voltarei porque para onde eu vou quero que vós estejais comigo!”. Essa deve ser sempre nossa atitude como cristãos, na igreja, na comunidade, na pastoral, na vida dos sacramentos, em nosso cotidiano.

 

 

A mulher é insistente, perseverante. Por três vezes faz o pedido: “Filho de Davi tem piedade de mim… Senhor, socorre-me… os cachorrinhos também comem das migalhas que caem da mesa…”  Para entender esse texto é preciso saber que os judeus costumavam chamar os cananeus de “cachorrinhos”. Não temos hoje um time de futebol que chama de porco… e outro de macaca?…. A mulher se coloca no lugar de uma cachorrinha, na sua humildade. Os judeus julgavam que o pão, ou seja, a salvação, deveria ser partilhada apenas com o povo judeu. Por isso, Jesus prova a fé daquela mulher pagã dizendo, “Não fica bem tirar o pão dos filhos para jogá-lo aos cachorrinho”. Mas, essa mulher não desiste de seu sonho: a cura de sua filha. E acredita que Deus não é mesquinho para dar somente a alguns e excluir os demais. A mulher cananéia sabe disso em seu coração. E consegue o milagre. Que belo o elogio de Jesus com a sua resposta que chama a atenção: “Grande é a sua fé, mulher, seja feito conforme tu queres”.  Jesus não diz, “conforme EU quero”, mas “conforme TU queres”. Recebemos a Graça na medida de nossa Fé.